9 de outubro de 2015

Resenha: A imaginária, de Adalgisa Nery

Avaliação: 4/5
Editora: José Olympio/ Cortesia
Gênero: Romance/ Autoficção
ISBN: 9788503012621
Publicação: 2015

Páginas: 352
Skoob

Este é um livro que caiu meio que de paraquedas na minha vida. Eu nunca havia ouvido falar da autora, nem de suas obras, e, quando tive a oportunidade de ler A imaginária, não sabia direito do que se tratava, nem do estilo de escrita de Adalgisa. No fim, me surpreendi com a narrativa intensa, reflexiva e profunda.

Adalgisa Nery nasceu em 1905 no Rio de Janeiro e foi uma importante poetisa modernista e jornalista brasileira. Em A imaginária, a autora traz um relato autobiográfico, no qual, pelos olhos da protagonista Berenice, narra sua própria vida. O livro se tornou um de seus maiores sucessos e na obra a autora fala principalmente da conturbada relação que teve com o marido Ismael Nery.

Acompanhamos a vida da pequena Berenice desde o início. Quando criança, sua mãe morre e logo ela é enviada para um internato. Pouco tempo depois, o pai casa-se novamente e ela tem que se adaptar a uma nova vida. Aos 14 anos, apaixona-se perdidamente por um homem poucos anos mais velho, e, apesar do inicial receio da família, casa-se aos 15. Quando jovem, nutria uma paixão intensa pelo marido, mas logo a relação amorosa tornou-se de violência. Berenice passou a ser cada vez mais oprimida e perdia sua voz.

O livro trata basicamente do primeiro casamento de Adalgisa, com o pintor Ismael Nery, e o quanto a relação se transformou com o tempo. De muito apaixonada, ela passou a viver uma vida de horror com as traições do marido e a forma como ele a enxergava, como um ser totalmente submisso. Toda a sua dor e sofrimento transformaram-se neste incrível livro, que conta a sua vida de maneira profunda, poética e dolorida.

É difícil não ter compaixão com a história narrada por Adalgisa. Logo quando pequena passou por muitas situações difíceis, como a morte da mãe, o novo casamento do pai, a vida no internato, entre outras coisas. Quando enfim achava que iria encontrar sua voz, passou a ser tratada mal pelo próprio marido. Baseando-se em todas as histórias vividas, a autora escreveu o que viria a se tornar uma das obras da sua vida.

Gostei muito da história e da narrativa poética, sensível. Entretanto, não foi uma leitura rápida. O livro praticamente não tem diálogos. É um mergulho ao interior da autora, que revela todas as suas angústias, desejos e medos. A partir do relato, é possível se aproximar muito da personagem, o que traz identificação e proximidade com a obra. Apesar de ser um livro mais denso, que exige mais atenção, definitivamente merece ser lido.

Por Camila Tebet

Um comentário:

  1. Oi Camila!

    Nunca tinha ouvido falar na autora também, até agora. Fiquei muito curiosa. Antigamente as pessoas se casavam cedo assim mesmo, mas ainda assim não consigo não achar estranho. E mesmo antes de ler o livro já estou com pena da Adalgisa, que casou cedo e por amor, e depois acabou sofrendo mais. Deve ser um livro bem difícil mesmo.

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...




LAYOUT DESENVOLVIDO POR VIAGENS DE PAPEL – NÃO COPIE, CRIE! – COPYRIGHT © 2015